03 novembro 2016

Evento Gratuíto


08 julho 2016

Trabalho e Arte: Teatro em São Bernardo do Campo.

                                  SUA ALMA ESTA COM FOME?                                         
  A ALMA SENTE FOME DE ARTE.     
  CARDÁPIO DO MÊS DE JULHO             

   ARTES CÊNICAS!











Nos dias 30 e 31/07  estaremos de volta à São Bernardo do Campo! Com a
Peça "EPIDEMIA" no Teatro Lauro Gomes.  Venham!


Matéria publicada no Diário do Grande ABC sobre estreia da peça 

“Epidemia”.   Publicado em terça-feira, 31 de maio de 2016
Trabalho também é tratado pela arte

Encontrar pessoas que tem problemas relacionados ao estresse adquirido no trabalho não é difícil atualmente. Com o aumento de competitividade nas empresas e o tempo em que as pessoas passam nelas, as consequências podem ser sentidas no corpo. A boa notícia é que não são só os remédios que podem ajudar. A arte também se torna aliada na cura desses e outros problemas. É isso que busca a Cia de Teatro Rubra, com a peça Epidemia...





INSPIRAÇÃO
Com intuito social e político, o tema tem sido tratado pelo grupo de teatro com humor. Ainda segundo Carina, o espetáculo foi fruto do Mito de Sísifo, ensaio do filósofo e escritor francês Albert Camus. Nele, Sísifo é amaldiçoado e tem que carregar pedra até o alto da montanha, mas, assim que chega lá, ela escorrega e ele tem que repetir o processo eternamente. "Este é o retrato do homem contemporâneo que queremos mostrar. Nosso objetivo é que as pessoas reconheçam que vivemos assim e partam para a mudança”, diz.




30 maio 2016

Vaga - Analista Processos de Produção


28 abril 2016

Histórias reais & experiência internacional

A história que compartilho hoje com vocês é da querida Lu, apelido carinhoso da batalhadora e guerreira Luciene Arruda. Ela tem 35 anos e há dois anos mora nos Estados Unidos. Ao acompanhar o marido em uma expatriação, a Lu optou por abrir mão  temporariamente de sua carreira bem sucedida no Brasil. Confira seu depoimento.






"Quando decidi acompanhar meu marido em sua expatriação, enxerguei uma ótima oportunidade de aprender uma nova cultura, aperfeiçoar o idioma inglês (no Brasil, estava no nível Intermediário) e dar um up grade no meu currículo.

Como muitas pessoas relatam, também tive dificuldade com o idioma. Moro numa região com muitos dialetos, a cidade é bem conservadora e aqui não tem muitos imigrantes. Não conseguia me comunicar direito e a cultura era bem diferente do que estava acostumada... Tudo isso junto foi bem difícil no começo.

Mas meu maior desafio foi ter de lidar com uma nova realidade, me adaptar a uma nova rotina e a um novo estilo de vida. Eu tinha uma carreira executiva na área comercial de uma empresa de grande porte, vinha do mundo totalmente "business", tinha um status social. Quando cheguei aqui, procurei ansiosamente por oportunidades na minha área, mas só encontrei ofertas que não estavam alinhadas à minha expectativa e ao meu perfil profissional. Além do fator inglês que eu ainda estava aperfeiçoando,  aqui o sistema de "QI" (Quem Indica) é muito forte nas empresas e eu não tinha esse apadrinhamento. Não consegui algo no nível do que eu tinha no Brasil. 

Então, decidi aproveitar o tempo e a oportunidade que tinha nas mãos para me dedicar 100% aos estudos. Sempre tive sede de conhecimento, sempre fui curiosa. E percebi que essa era a oportunidade para fazer algo que eu nunca tinha tipo oportunidade antes: estudar exclusivamente, não só inglês, mas também outros temas do meu interesse. Fiz cursos na área de Negócios, Marketing e Excelência em Serviço, este último na Universidade da Disney.

Posso dizer então, que hoje tenho uma vida de estudante e uso o tempo livre de forma criativa. Para alguns pode parecer glamour, para mim foi desafiador. Sempre trabalhei, fui sempre independente, tinha uma carreira paralela ao do meu marido. Mas a partir do momento que fiz a escolha de sair temporariamente do Brasil, tive de encarar essa mudança de vida. E faço a escolha diária de encarar tudo isso com otimismo e muita humildade.

Como recompensa dessa experiência internacional, sem dúvida nenhuma, destaco a oportunidade de ter acesso à diversas culturas, faço parte de um grupo de estrangeiros com quem convivo e onde troco experiências. Fora do Brasil, vejo o quanto cresci como pessoa, acho que me tornei uma pessoa melhor, porque você se torna uma pessoa mais aberta, mais flexível. Aqui, convivo com gente de todas as tribos, desde refugiados até executivos. Sinto que adquiri bagagem, me tornei mais tolerante, mais calma, aprendi a viver em harmonia, em comunidade, a trabalhar melhor junto... Aliás, essas são competências fundamentais no mundo corporativo. Por isso mesmo, me sinto mais do que preparada para quando voltar ao Brasil, contribuir significativamente no mercado que eu decidir atuar.
 
Como conselho, eu diria para as pessoas que pensam em sair do país que estejam preparadas para viver diariamente o novo, que tenham abertura para os imprevistos, que procurem ter uma visão mais realista do que cheia de expectativas sobre o que é morar fora, para não se frustrarem lá na frente. É fundamental leveza para deixar as coisas acontecerem naturalmente. Viver o hoje sem olhar para trás, sem comparar com a vida antiga.

Adquiri a consciência de que somos grãos de areia na multidão, somos apenas mais um... E esse aprendizado eu vou levar pra sempre comigo. Essa experiência mudou minha vida e minha visão de mundo...".






01 abril 2016

Os obstáculos são o caminho... (provérbio zen)

Os obstáculos são o caminho... (provérbio zen)

(esta é a continuação do Artigo "Já imaginou poder criar sua realidade").

O estado generativo, estado de criatividade plena da realidade, está disponível a todos nós, mas para acessá-lo de forma consciente e nos mantermos conectados a ele é preciso mais do que vontade e desejo. Temos que aprender a nos centrar, desenvolver práticas que nos ajudem a aquietar a mente, perceber a energia que circula no nosso corpo, estarmos abertos e atentos à sabedoria que emana das vibrações que nos cercam. Manter-nos num estado generativo é um processo, não tem fim e não é algo estático. Requer prática e disciplina.


No processo de Coaching Generativo, a mudança começa com a definição de uma intenção clara e positiva (O que eu quero criar para minha realidade?). Essa intenção passa pela conexão das três consciências (cognitiva, somática e campo vibracional). Mas quando partimos para a ação em direção à nossa intenção, é comum surgirem obstáculos que parecem limitar nosso sucesso e atrapalham nossos planos. Nessa hora, a mente reconhece o obstáculo e cria uma desculpa para justificar que algo não pode se concretizar. 


No entanto, no processo generativo, somos convidados a olhar o obstáculo como algo que faz parte de um processo de superação e que se integra na solução do problema e não como algo ruim que deve ser rejeitado e negado. Em outras palavras, sentimentos como medo, insegurança, raiva, culpa entre outros, que surgem ao nos depararmos com obstáculos devem ser acolhidos, pois, eles provavelmente trazem consigo recursos valiosos que quando integrados à consciência contribuem determinantemente na identificação de maneiras para se chegar até a intenção.

Muitas vezes, quando resistências inconscientes vêm à tona, repetimos o mesmo modelo mental de fugir, lutar e sofrer. E isso, ao invés de ajudar a superar um problema acaba por outro lado fortalecendo-o.

Todos nós em momentos de crise no relacionamento amoroso ou na família ou no trabalho, por exemplo, podemos praticar esse exercício. Ao invés de acentuar os problemas e fortalecer resistências, o desafio passa a ser buscar acolher o outro, o oposto, o diferente, a opinião contrária, reconhecer as fortalezas alheias e incluir todas as perspectivas para construir juntos caminhos e soluções que possibilitem o crescimento saudável e sustentável de uma relação. Bora lá?


Não é fantástica a ideia de criar nossa própria realidade?













                                          

29 março 2016

Já imaginou poder criar a sua realidade?




Coaching Generativo

Acabei de concluir minha formação em Coaching Generativo. Foi uma honra e um privilégio passar 18 dias com os renomados professores Stephen Gilligan e Robert Dillts, psicólogos americanos, ambos discípulos de  Milton Erickson e hoje grandes nomes e influenciadores quando se fala sobre PNL (Programação Neurolinguística) e Hipnose. Muitas pessoas me perguntaram, inclusive profissionais que já são Coachs: mas afinal, o que significa Coaching Generativo?
Neste artigo, darei início a uma nova coluna neste espaço para responder e elucidar essa pergunta. Espero que muitas pessoas, assim como eu, possa fazer uso dessa ferramenta fenomenal de transformação pessoal e profissional e passar a criar sua própria realidade com mais propósito. Boa leitura!


Generativo dentro do contexto de Coaching significa obter o máximo, a potência, a alta performance é ultrapassar limites. 

Explico: quando a consciência e a razão não nos impede de sonhar, de imaginar o impossível, de vir à tona as intenções ou objetivos mais ousados e, como por um milagre, algo que um dia imaginamos surpreendentemente acontece, estamos sendo generativos. O estado generativo nos permite criar o que quisermos, se assim realmente desejarmos e não nos bloquearmos. A mudança generativa vai alem do óbvio, muito além das respostas e soluções existentes, tanto na vida pessoal, como na vida profissional. A forma como pensamos, como damos ou não valor a algo, ou seja, nosso modelo mental, é determinante na realidade que atraímos e que criamos para nós e para o nosso meio. Nosso estado físico e emocional tem papel fundamental para ajudar nosso inconsciente a encontrar soluções para as questões que se apresentam no nosso dia a dia. Quando estamos fechados, reativos, tensos e contraídos, limitamos nossa capacidade de enxergar e ir além, consequentemente limitamos as saídas e alternativas que poderíamos fazer uso.



Por outro lado, quando estamos centrados, "presentes" em nós mesmos, no tempo e no espaço, atentos ao sinais do nosso corpo e com abertura para o que se apresenta, entramos, no que é chamado, de estado generativo. Então, temos a chance de acessar infinitos recursos internos para, tanto remodelar nosso mapa mental e potencializar o poder de criação da realidade, como de se abrir para novas resoluções, novos desfechos para uma mesma problemática.

Entrar num estado generativo requer 3 etapas que se não todas presentes e conectadas interferem no processo de criação da realidade:

1) consciência cognitiva: como uma mente que pensa, raciocina, planeja e direciona o que fazemos no dia a dia.
2) consciência somática: a inteligência do corpo, como uma sabedoria que reconhece todos os sinais físicos que nosso corpo nos envia, como a respiração tranquila ou acelerada, aperto no coração, frio no estômago, calafrios, suor, etc...
3) consciência energética: acesso ao campo de recursos através da energia quântica que nos conecta a tudo e a todos, nossa história, passado, ancestralidade etc...


No estado generativo essas três consciências se relacionam harmonicamente com o fluxo da vida, elas dancam e interagem numa poderosa tríade que nos permite criar a realidade que desejamos.


 
Acompanhe a continuação deste tema nos próximos artigos.

Margarete Soares
Sou Coach, Consultora de Carreira e uma Psicóloga apaixonada por relações humanas. Atuei como Consultora de RH por muitos anos em empresas multinacionais de grande porte como Grupo Saint-Gobain e Avon Cosméticos. Hoje, moro na Alemanha e dedico meu tempo orientando profissionais que buscam novos horizontes no mercado de trabalho (nacional e internacional).
Contato:
Skype: margaretesoares5
Whatsapp: +49 157 507 79726


01 fevereiro 2016

Reflexoes de uma Consultora de Carreira

3 pontos que são desconsiderados quando se pensa numa carreira global


1) FALAR OUTRO IDIOMA FLUENTEMENTE NÃO É UM DIFERENCIAL, O QUE MUDA É O QUE VOCÊ PODE FAZER COM ELE
Antigamente quem dominava um idioma internacional era considerado um profissional com grande diferencial. Felizmente, muitas pessoas já dominam fluentemente o inglês ou o espanhol. Mas os que não falam estas línguas não estão fora do mercado. O que alterou foi à forma de entendimento e a quantidade de oportunidades disponíveis no mercado. É relevante potencializar as suas habilidades na língua estrangeira, mas nunca se limite por conta de uma possível falta de domínio sobre a língua. Se você possui uma área de formação, a língua é um meio de avançar na carreira e não o fim.

2) NADA NUNCA SUBSTITUIRÁ AS EXPERIÊNCIAS REAIS
Nada substituirá a experiência vivenciada no mundo real. Uma dica: aproveite as oportunidades de viagens internacionais para conhecer mais do setor que você atua. Além de puro turismo no destino escolhido, procure incluir na sua programaçao uma visita a empresas que você admira ou simplesmente investigar a opinião dos moradores sobre sua área de trabalho (em alta, em baixa, em expansão...). É fantástico aproveitar as oportunidades fora do Brasil para potencializar o seu currículo, adquirir experiência e aumentar suas habilidades interculturais.


3) ATIVO NO PERFIL VIRTUAL
Hoje as informações pessoais e profissionais circulam quase que livremente pelas redes sociais, mas cuidado com o que você posta. O mundo virtual está a cada dia mais interligado com o mundo real. Mesmo sabendo que o Linkedin não é tão popular no Brasil quanto em outros lugares, como Estados Unidos e Europa, é preocupante o pouco investimento e, principalmente, o cuidado com a construção de uma estratégia séria e comprometida de marketing pessoal que temos visto por aqui... #ficaadica.

Você já está pronto para aproveitar as oportunidades e construir sua carreira global? Reflita sobre suas vantagens competitivas e não esqueça que tem muitas empresas no Brasil ou vindo de fora que precisam de profissionais qualificados. Informe-se!

Compartilhe o link com quem possa interessar!

Margarete Soares

Sou uma Psicóloga apaixonada por relações humanas e uma Coach Generativo em formação. Atuei como Consultora de Recursos Humanos por muitos anos em empresas multinacionais de grande porte como Grupo Saint-Gobain e Avon Cosméticos. Hoje, moro na Alemanha e dedico meu tempo orientando profissionais que buscam novos horizontes no mercado de trabalho (nacional e internacional).
Contato:
Skype: margaretesoares5
Whatsapp: +49 157 507 79726

27 janeiro 2016

Seu currículo é seu cartão de visitas no Brasil e no Exterior

Você pode já saber, mas vale a pena reforçar...


O que é colocado em um currículo e também numa carta de apresentação (muito comum na Europa e América do Norte até para cargos não gerenciais) auxilia a abrir as primeiras oportunidades no mercado de trabalho.

Ter formação em universidades bem ranqueadas no mercado, experiência de estudo e/ou trabalho no exterior, além de programas trainee em empresas reconhecidas ajudam, mas não são os únicos destaques para considerar no momento de uma seleção.

Você não tem como mudar o passado ou recuperar o tempo perdido, mas pode planejar melhor o futuro. 

Cursos de aperfeiçoamento em áreas específicas nas quais você deseja trabalhar são cada vez mais valorizados, uma vez que atualmente não existe muita oferta de especialistas no mercado. 

Conhecimento técnico relacionado com a ocupação no mercado será mais valorizado na interação entre duas realidades (real e virtual), já que essa é uma realidade que vem se fortalecendo de forma muito rápida.

Não omita as suas experiências, mas reforce e potencialize os seus pontos fortes.

Para quem almeja uma carreira no exterior, tenha o seu currículo no modelo estratégico de cada país. Evite usar o mais do mesmo, afinal estamos falando de seu cartão de visitas!

Comente, compartilhe o link!

Margarete Soares

Sou uma Psicóloga apaixonada por relações humanas e uma Coach Generativo em formação. Atuei como Consultora de Recursos Humanos por muitos anos em empresas multinacionais de grande porte como Grupo Saint-Gobain e Avon Cosméticos. Hoje, moro na Alemanha e dedico meu tempo orientando profissionais que buscam novos horizontes no mercado de trabalho (nacional e internacional).
Contato:
Skype: margaretesoares5
Whatsapp: +49 157 507 79726